Negociação EmpresarialDesde a criação da linha de montagem, por Henry Ford, surgiu a necessidade de entidades que normatizassem, fiscalizassem e padronizassem produtos e serviços. As primeiras organizações de regulamentação de normas técnicas foram a suíça "International Electrotechnical Commission" (Comissão Eletrotécnica Internacional) e a alemã "International Federation of the National Standardizing Associations" (Federação Internacional das Associações Nacionais de Padronização), na década de 1920.

Em todo o mundo, há entidades que regulamentam o controle de qualidade de acordo com a legislação de cada país. Um dos órgãos pioneiros em padronização de produtos é a International Organization for Standardization (ISO), em português, Organização Internacional de Estandardização ou padronização. Fundada em 1947, em Genebra, Suíça, a organização está presente em 157 países e tem a intenção de normatizar diferentes produtos para que a qualidade dos mesmos seja sempre melhorada.

A ISO institui requisitos que aperfeiçoam processos internos e produtos, monitora o ambiente de trabalho e satisfação dos clientes. Mesmo tendo sido criada mais tarde, a ISO se tornou uma das entidades de estandardização mais influentes do mundo e abriu precedentes para os órgãos nacionais com a mesma intenção.

A organização Suíça credencia empresas com certificados que dão notabilidade e atestam a seriedade e qualidade de serviços. Alguns dos títulos mais importantes são os ISOs 9000 e 9001, que levam em consideração vários requisitos para os postulantes. A concessão de ISOs leva em conta os seguintes requisitos:

  • Responsabilidade da direção: um representante da empresa precisa ser especialmente designado para supervisionar o controle de qualidade da empresa. As normas precisam ser documentadas.
  • Sistema da qualidade: um manual precisa ser criado para atestar os padrões da empresa.
  • Análise crítica de contratos: a organização precisa ter condições de cumprir tudo que está pré-definido nos contratos, que devem ser completos e claros.
  • Controle de projeto: itens referentes a projetos precisam ser documentados previamente.
  • Controle de documentos: toda documentação da organização precisa ser rigidamente controlada.
  • Aquisição: os fornecedores devem ser avaliados e as matérias-primas precisam atender aos pré-requisitos.
  • Produtos fornecidos pelo cliente: deve-se assegurar que estes produtos sejam adequados ao uso.
  • Identificação e rastreabilidade do produto: os produtos devem ser identificados em todas as etapas de produção, transporte e distribuição.
  • Controle de processos: todas as fases de processamento de um produto precisam ser controladas e documentadas.
  • Inspeção e ensaios: a matéria-prima precisa ser inspecionada antes de sua utilização.
  • Equipamentos de inspeção, medição e ensaios: são necessários procedimentos para a calibração/aferição, o controle e a manutenção desses equipamentos.
  • Situação da inspeção e ensaios: deve estar especificado no produto por quais procedimentos de aferição ele passou, ou não.
  • Controle de produto não conformes: é necessário definir procedimentos que especifiquem o que acontece com produtos não conformes.
  • Ação corretiva: investigação e análise das causas de produtos não conformes e adoção de medidas para prevenir a reincidência de ocorrências do tipo.
  • Manuseio, armazenamento, embalagem e expedição: existência de procedimentos para o manuseio, o armazenamento, a embalagem e a expedição dos produtos.
  • Registros da qualidade: qualidade registrada ao longo de todo o processo de produção. Documentos devidamente arquivados e protegidos contra danos e extravios.
  • Auditorias internas da qualidade: implantação de um sistema de avaliação do programa da qualidade.
  • Treinamento: estabelecimento de programas de treinamento para manter, atualizar e ampliar os conhecimentos e as habilidades dos funcionários.
  • Assistência técnica: a assistência aos clientes deve ser pré-definida e assegurada.
  • Técnicas estatísticas: verificação da aceitabilidade da capacidade do processo e as características do produto.

Controle QuímicoComprovado que a empresa segue todos os requisitos, o certificado é concedido. Muitos países possuem entidades que administram o controle de qualidade e aplicam as legislações específicas de controle de qualidade. No Brasil, se destacam Inmetro (Instituto de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial), ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), ABCQ (Associação Brasileira de Controle de Qualidade), CRB (Centro de Referência Brasil), dentre outras. Entre as atribuições das entidades de caráter nacional, estão a realização de testes com os produtos, fiscalização, normatização e criação de padrões para determinados materiais.

Tipos de ISO

ISO 9000

O ISO 9000 faz parte de normas da gestão da qualidade para organizações e possui um conjunto de cinco normas que vai até o ISO 9004. Ele pode ser usado por qualquer tipo de empresa e compõe a avaliação do sistema de gestão da qualidade e não exatamente dos produtos produzidos pela mesma. Se uma organização possui o ISO 9000 não significa que ela possui o melhor produto e sim que ela tem um processo produtivo parecido e com o mesmo padrão de qualidade.

Esse padrão de qualidade é utilizado pelas empresas para demonstrar que ela é administrada com qualidade. O ISO é a garantia de confiabilidade de determinada empresa uma vez que as normas foram preparadas por pessoas de diversos países. Essa certificação garante credibilidade da empresa, o aumento das relações comerciais, reduz custos, aumenta o número de clientes, aumenta o lucro, melhora a produção, cria responsabilidade civil, dentre outros.

Para ganhar a ISO uma organização deve receber um auditor representante de um órgão certificador para que este realize uma auditoria na empresa e emitam um certificado.

ISO 9001

Esse ISO está relacionado ao Sistema Gestão da Qualidade e refere-se a conceitos e um modelo de padronização para verificar, monitorar processos para satisfazer clientes e aumentar a competitividade.